A filosofia Lean

 

Conceitos básicos

Surgida no Japão com o intuito de reerguer a economia de um país pós-guerra, o Sistema Toyota de Produção é um modelo gerencial que utiliza de medidas pontuais para atender da melhor forma as necessidades dos clientes, fornecendo produtos e serviços da mais alta qualidade, com baixo custo e menor tempo de produção. Esta foi a estratégia usada pela Toyota Motor Company para enfrentar a crise do mercado automobilístico da época. Traduzida para a construção civil, o modelo gerencial utilizado na manufatura, traz agora respostas para um mercado diferenciado. É certo que existem diferenças, mas a conversão da Lean Production ou Produção Enxuta em Lean Construction ou Construção Enxuta gera enormes ganhos a este setor.

Mesmo que os conceitos da Produção Enxuta tivessem uma boa aceitação ao serem transferidos para a construção civil, alguns autores encontram resistência para tal adaptação.

Howel (1999) acredita que sempre houve uma rejeição por parte da indústria da construção civil quanto às idéias e soluções provindas da manufatura, sob a alegação da diferença que há entre os dois setores; enquanto Koskela (1992) apresenta uma série de particularidades da construção que reforçam a aplicabilidade dos conceitos da Produção Enxuta à Construção Civil, entre elas a imobilidade do produto, a complexidade de organização e do processo de produção e o longo tempo requerido, entre outros. Em 1991, Lauri Koskela lança os onze princípios que, segundo ele, são norteadores para construção enxuta (FORMOSO, 2002):

1) Reduzir a parcela de atividade que não agrega valor;

2) Aumentar o valor do produto através da consideração das necessidades dos clientes;

3) Reduzir a variabilidade;

4) Reduzir o tempo de ciclo;

5) Minimizar o número de passos e partes;

6) Aumentar a flexibilidade da saída;

7) Aumentar a transparência do processo;

8) Focar o controle no processo global;

9) Introduzir melhorias contínuas no processo;

10) Equilibrar melhoria de fluxo;

11) Benchmarking.

Quanto a relação existente entre o modelo tradicional e o modelo Lean, Oliveira et al (2007) acreditam que a principal diferença entre o modelo gerencial tradicional e o gerenciamento através do sistema Lean é basicamente conceitual, pois este se resume a uma nova maneira de entender e executar os processos. Heineck e Machado (2001) descrevem o primeiro caso como aquele que envolve genericamente a entrada de recursos, a conversão destes e a geração de saídas do processo que constitui o produto da construção. Acontece basicamente da mesma forma com modelo Lean, a grande diferença é que neste os fluxos são levados em consideração dentro do processo, não somente as conversões.

 

As ferramentas Lean

A aplicação consciente das ferramentas se faz necessária para a atuação dos princípios da empresa. Womack (2007) defende a necessidade de se realizar projetos claros para a aplicação consciente das ferramentas em cada empresa, pois o contrário, segundo ele, seria difícil de sustentar. Entre estas ferramentas, podem ser citadas:

  1. a) O andon é uma ferramenta gerencial cuja função principal é a identificação de problemas na linha de produção. Entre os benefícios que se pode citar, Kemmler et al (2007) destacam as melhorias na comunicação em obra, prevenção de paradas na linha de produção com consequente alcance do fluxo contínuo, aumento da transparência no controle dos processos, além da promoção da automação.
  2. b) Kaizen são avanços feitos nos processos produtivos e que envolvam o melhoramento contínuo da rotina da empresa.
  3. c) Kanban é uma ferramenta utilizada para o acompanhamento da produção através de cartões que regulam o fornecimento de materiais (MAUÉS et al, 2008).
  4. d) Linha de balanço é uma ferramenta que auxilia na programação das atividades, podendo-se analisar o ritmo de execução dos serviços e assim ter um controle melhor sobre os prazos estipulados para cada fase da obra.
  5. e) Célula de produção se dá pela formação de uma equipe polivalente constituída por diversas profissões. Esta equipe se responsabiliza por realizar uma etapa, após a conclusão dos serviços a próxima equipe é solicitada para dar continuidade a próxima etapa, reduzindo desta forma o tempo de espera entre as atividades.
  6. f) Diagrama de sequência é uma ferramenta utilizada para o acompanhamento diário das atividades de cada célula. Este é conferido pelo responsável e através deste instrumento é possível verificar a ocorrência de atrasos.
 
Este texto foi extraido do trabalho
 AVALIAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA LEANCONSTRUCTION EM CONSTRUTORAS GOIANAS
Leiliane Santana Souza (UFG)
Maria Carolina Gomes de Oliveira Brandstetter (UFG)
Filosofia Lean – Conceitos basicos aplicados a construções

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *